Os sete pecados capitais da eleição! Por Mário Machado Júnior

 

TABUA DOS 7 PECADOS

Falando sério, os sete pecados capitais são conhecidos por nós todos que os praticamos diariamente. Quero transpor estes pecados ao ambiente das eleições e analisa-los com vocês…

GULA

A gula é o desejo insaciável por comida e bebida. A pessoa que comete este pecado não vai diretamente para o inferno. Segundo tal visão, a gula também está relacionada com o egoísmo humano: querer adquirir sempre mais e mais, não se contentando com o que já tem, uma forma de cobiça. A gula seria controlada pelo recurso à virtude da temperança. Cortesia da Wikipédia.

Em se tratando de uma eleição o pecado da gula pode ser dividido entre os candidatos e entre os eleitores, cada um tem a sua gula própria, individual, vamos analisar os dois:

 

GULA DE CANDIDATO – esta é uma gula dividida em duas também: a gula pelo poder e a gula pelos votos, uma está intrinsecamente ligada à outra, pois o candidato só atinge o poder saciando a sua gula pelos votos. Imagine uma pessoa morta de fome, ela fará qualquer coisa para saciar a sua fome e, no caso mais extremo, a sua gula, pois o guloso é o extremo deste pecado. Se alimentar é normal. Saciar a fome pressupõe um limite. O guloso não tem limites. A gula de um candidato, a depender do mesmo, é extremamente perigosa e sujeita a internação para ter autocontrole ou para se desintoxicar (normalmente leva de dois a quatro anos o tratamento completo) e ai quando ele está “limpo” pode ser novamente acometido deste pecado. Para o pecado da gula de candidato não há perdão. Desculpa, talvez!

GULA DE ELEITOR

Na primeira eleição em Luís Eduardo Magalhães, ano de 2000, eu estava trabalhando com uma candidata a vereadora e no curso da campanha cheguei em um casa onde haviam cartazes, adesivos e camisetas de 4 candidatos diferentes. A dona da casa muito solicita me disse: “avisa sua candidata que se ela conseguir 10 mil blocos ela terá 10 votos aqui em casa”. Pela quantidade de pessoas “apoiadas” por tão ilustre família devem ter construído um palácio com os blocos obtidos. Esta é a sem-vergonha gula do eleitor. Lamentavelmente gula de eleitor não tem cura, pode acalmar, mas não tem cura.

Está provado que quem corrompe o politico é o eleitor, e não o contrário.

TUDO EM EXCESSO É PERIGOSO, SEJA PARA O BEM OU PARA O MAL!

cartao-mario