O pôquer, os cães e a política: Por Mário Machado Júnior

Recentemente vi um filme onde a imagem que ilustra esta coluna me foi apresentada, afirmo, categoricamente, que nunca havia visto o quadro em questão, pior foi descobrir que o referido quadro foi vendido por milhares de dólares, mas não é a sua composição, irônica, que me faz trazer este texto.

Obvio que sabemos que cães não jogam pôquer, entretanto os políticos jogam e, infelizmente, as apostas somos nós, nossas vidas, nossos futuros.

Dois esportes me chamaram a atenção nos últimos tempos, um o pôquer em si, apesar de não jogar e o futebol americano, influenciado pelo meu editor, Ronimarkes e de Mestre Rodrigão que se esforçam em me ensinar.

O pôquer, a politica e os políticos me fazem crer cada vez mais que não somos  cartas na mão destes jogadores, pelo contrario, não estamos nem sequer no jogo. Somos vitimas de suas jogadas, assim como aquelas famílias o são dos jogadores/perdedores contumazes.

Na mesa de pano verde os apostadores não aceitam, em hipótese alguma, palpite de qualquer natureza, assim como os políticos e detentores de poder, não ouvem ninguém, são donos de suas verdades e suas verdades assim como suas apostas afetam ao povo, e este que se lasque.

Ninguém, absolutamente ninguém, tem o direito de apostar ou jogar com a vida alheia, ainda mais quando estas apostas vêm do improvável, ninguém sabe qual será a próxima carta.

Estão jogando pôquer com o povo brasileiro sejam os governos federal, estadual e municipal, e isso há muito tempo. Somos vitimas de um jogo insano, inapropriado e onde não adianta mudar os jogadores, pois o pano verde será o mesmo, as cartas serão as mesmas e a única coisa que pode variar são as jogadas, mas o resultado é um, só a casa ganha.

Cães não jogam pôquer, mas políticos jogam, e como jogam. Vejam as jogadas dos últimos dias na câmara, no senado, no Supremo, no nosso dia a dia.

O baralho tem 52 cartas e nós somos uma nação com mais de 206 milhões de pessoas e somos cartas fora do baralho.

Ouros são os poderosos. Copas são os que lhes são caros. Espadas os seus guerreiros. Paus aqueles que são por eles mandados. E nós estamos de fora, não somos naipes, números ou muito menos ainda reis, damas ou valetes.

Meus caros ajudem a ONG VIDA BIXO, você pode doar R$ 10,00 no BANCO DO BRASIL AGENCIA 0231-3 CONTA 36360-X é uma instituição que faz de tudo em favor de quem não pode se defender.

Notícias Relacionadas