Reflexões sobre a identidade do brasileiro: Por Regis Truccolo

A cada grande escândalo neste país, a cada notícia desairosa das instituições neste país, muitos brasileiros, suspiram e perguntam a si mesmo o que deu de errado, em um país de proporções continentais, fauna e flora abundantes, que não tem terremotos, que não tem vulcões ou grandes desertos, mas, que mesmo assim é uma tragédia continua. A despeito do trabalho de seu povo esforçado, este não tem direito a quase nada, senão uma carga tributária absurda, sem saúde, sem segurança, sem educação e agora, quase sem aposentadoria. O que foi mesmo que aconteceu com nós brasileiros? Praga? Má sorte? Azar? Sempre ouvimos que tivemos o azar de sermos descobertos pelos portugueses, este povo de índole calma e por vezes, melancólico, que ao nos descobrir preferiu dilapidar nossas riquezas ao invés de construir um novo mundo que poderia beneficiar os próprios portugueses. Portugal, nunca pensou no Brasil como um continente a ser colonizado, um novo Portugal, nada, para cá remeteu não seus cientistas e doutores, mas seus degradados, condenados da coroa portuguesa que vinham tentar a sorte em meio a índios ferozes, calor e insetos enlouquecedores. Com eles vinham alguns religiosos e grande número de aventureiros em busca de ouro e riquezas. E assim começou a base do grande Brasil, com ladrões e aventureiros, matando, escravizando, estuprando, e, somente com a vinda da família real portuguesa, fugindo de Napoleão, é que o Brasil, começou a ter ares de país. Não serve de desculpa. Azar, má-sorte? Já vem de longe, o motivo da tragédia dos brasileiros. Infelizmente, somos administrados desde 1500, por fanfarrões, homens pouco sérios, e quase nada comprometidos com a coisa pública.

Há exceções. Sim, tivemos grandes homens no Império e na República, mas, estes, meros sonhadores foram absorvidos pela máquina maligna que move o Brasil, este monstro chamado corrupção em todos os níveis. O recente escândalo da carne fraca (Frigoríficos), Operação Lava Jato, goleiro Bruno solto, todas estas mazelas que caem nas nossas cabeças diariamente através da mídia, tem um motivo, nossa incapacidade de mudança como coletivo, como gente organizada, somos quase zero, tudo reflete a nossa própria desídia para com nosso país. Essa é nossa identidade, nossa digital em verde e amarelo. E, continuamos a reclamar, sem mudar. Alguém pode neste instante estar me xingando, sei que a verdade dói. Nestes dias atuais de escândalos diários, onde os políticos tentam fazer uma operação abafa as revelações de caixa 2 em campanhas, igualmente vejo políticos e jornalistas reclamarem da Polícia Federal que revelou o escândalo dos frigoríficos. Da mesma forma, vi crianças e suas mães tirando selfies com o assassino condenado Bruno. Mas onde anda nossa vergonha na cara? Milhões assistem os prevaricadores governarem o país na continuidade do governo de onde foi apeado somente a insossa presidente. Nada mudou, apenas o nome dos tunguistas uma desesperança em meio a crescente guerra fratricida das redes sociais entre adoradores da seita da jararaca X e adoradores da seita do capitão justiceiro. No entanto, a maioria dos brasileiros, pensa, pensa, e não vê luz no fim do túnel. Não haverá milagre no nosso caso. Existe trabalho, existe indignação, existe sobrevivência, deste povo que não se cansa nunca e teima em sobreviver numa país que parece nunca dar certo. Precisamos impregnar o Brasil com um sentimento de justiça, de honestidade, de coletividade, para que os serviços públicos melhorem, os impostos sejam menores, e os políticos, aqueles que se salvarem da Lava Jato, sejam mais gestores da coisa pública. O resto, bom, de resto não adianta apenas reclamar, façamos acontecer. 

Notícias Relacionadas