Obras inacabadas da FIOl, atrapalham extração de minério

Em março de 2016, a Valec, empresa ligada ao Ministério dos Transportes e responsável pelas obras, rescindiu o contrato com o consórcio de construtoras alegando descumprimento de obrigações contratuais e problemas na construção.

A Valec diz que as obras do lote quatro estão perto de 80% do previsto, e que a primeira etapa da ferrovia tem conclusão prevista para o segundo semestre de 2018. Ainda segundo a Valec, entretanto, a construção está parada.

Sem a conclusão da obra no sudoeste da Bahia, a extração de minério de ferro, que deveria garantir ainda mais empregos e renda, não começa. Isso ocorre porque o município não tem como transportar a produção.

“Nós temos aqui o minério de ferro e que está parado por conta da paralisação da ferrovia. Com a implantação do minério de ferro, nós teremos mais ou menos quatro mil empregos diretos”, explicou o secretário de relações institucionais de Caetité, Hebert de Carvalho.

Com a suspensão das obras, não foi só a extração de minério de ferro que ficou prejudicada. Os pequenos comerciantes também foram afetados com a situação. É o caso do dono de um restaurante da região, Albiano Aparecido dos Santos. Segundo ele, durante o auge das obras, foram servidas por dia entre 450 a 500 refeições.

“Fizemos um investimento comprando esse terreno, construindo e no período de 2010 a 2015 foi bom. De 2015 para cá, a queda foi tão grande que hoje não está dando nem para se manter”, contou.

Em Brumado, também no sudoeste da Bahia, área de produção agrícola e mineral do estado, a situação é parecida com a de Caetité. Até 2015, no Lote 4 da ferrovia, em Brumado, cerca de 1.300 pessoas trabalhavam no local. Além disso, muitos trilhos foram colocados, mas atualmente está tudo parado.

A obra recebia operários de várias cidades da região. Gildázio Moreira, natural de Brumado, foi um dos trabalhadores da obra e ele atuava como armador. “Está todo mundo sem ganhar nada. Todo mundo parado”, contou.

G1, BA

Notícias Relacionadas