Agronegócio é um dos pilares da recuperação econômica brasileira

 

A economia brasileira começa a apresentar sinais de estabilização e recuperação, e parte disso pode ser creditada a produção do agronegócio pelo menos é o que afirma a Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil, que nesta terça-feira (5) apresentou um balanço do desempenho do setor em 2017 e comprovou com dados o tamanho da importância do setor para a economia do Brasil.

Entre os dados apresentados pela confederação, a queda da inflação no grupo “Alimentação e bebidas” do índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) em 24,8% é um dos reflexos de uma produção recorde registrada em 2017.

Segundo Bruno Lucchi, superintendente técnico da CNA, se em 2016 o clima foi o vilão da produção, neste ano o panorama foi justamente o fator determinante para a quebra de recordes, como ocorreu com o algodão, que cresceu 15% em produção e 5,7% com relação ao preço. Apenas café arábica, cana de açúcar e trigo apresentaram diminuição na produção.

O outro ponto apresentado por Bruno para a participação do agronegócio na recuperação econômica do país foi a geração de empregos.

“Na questão dos empregos, nós tivemos a maior expansão no acumulado até outubro, 93 mil vagas de saldo nesse período. Bem maior que nos anos anteriores e bem maior do que no ano passado.”

A participação no PIB também foi um dos destaques da apresentação. A projeção da entidade, já que o ano ainda não terminou, é de que a agropecuária contribua com cerca de 23,5% do PIB brasileiro em 2017.

Por: Por Raphael Costa