É hoje! O quê? Por Mário Machado

 

E riquezas e glória vêm de diante de ti, e tu dominas sobre tudo, e na tua mão há força e poder; e na tua mão está o engrandecer e o dar força a tudo. 1 Crônicas 29:12

 

Quando a fé e a esperança são jogadas para debaixo do tapete ou pior enterradas, o que podemos fazer? Orar, vigiar e trabalhar e muito! Estão querendo enterrar nossas esperanças e não podemos permitir, porem devemos ter em mente que as coisas e as pessoas só fazem mal se nós mesmos permitirmos. Estamos permitindo? Infelizmente, sim!

Hoje é dia 04 de abril de 2018, o Brasil está parado em suspenso desde o último julgamento do STF o qual deu sobrevida ao ex-presidente e já condenado em primeira e segunda instancia. Literalmente paramos. O Brasil não fez outra coisa, nos últimos 10 ou 15 dias, a não ser divagar sobre o resultado dos acontecimentos de hoje.

Ontem aqueles que são a favor da prisão em segunda instancia se manifestaram Brasil afora. Assim como aqueles que são contra a prisão em segunda instancia, também foram as ruas, porem em volume bem menor. Se fossemos criar um placar para ontem poderíamos dizer que deu 7×1 para aqueles que são a favor. O placar pode não representar a decisão do Supremo. Inclusive fazer gol contra!

Me assusta sobremaneira o sentimento de uma eventual guerra civil se armando ante uma decisão negativa por parte dos Ministros. Irmão contra irmão, sangue jorrando em calçadas por perdermos a nossa capacidade de nos indignarmos e reagirmos. Lá se vai a imagem de um país pacifico, permanece apenas a imagem de um país passivo.

Será possível que uma decisão do Supremo possa fazer explodir uma guerra civil no Brasil? Sim, pois não se quer somente a prisão do ex-presidente, mas que não abram as portas para outros pedidos na mesma linha e permitir que outros condenados, na mesma linha ou pior, alcancem a liberdade.

Some-se a tudo isso a postagem do Comandante do Exército, Gen. Vilas Boas alertando que o Exército está atento aos acontecimentos e que buscam também a prática da justiça. “Asseguro a Nação que o Exército Brasileiro julga compartilhar o anseio de todos os cidadãos de bem de repudio à impunidade e de respeito a Constituição, à paz social, e à Democracia, bem como se mantem atento às suas missões institucionais. Nessa situação que vive o Brasil, resta perguntar as instituições e ao povo quem realmente está pensando no bem do País e das gerações futuras e quem está preocupado apenas com interesses pessoais?

É hoje! O que? Deus nos proteja.

 

 

 

Notícias Relacionadas