Polícia desobstrui pistas no oeste mas protesto dos caminhoneiros continua

Em uma ação conjunta mais de 60 homens das polícias Militar , bombeiros,  civil e rodoviária fizeram uma operação para a desobstrução da BR 242, sentindo  Barreiras/ Salvador na tarde de hoje ( 29 ), segundo informou o Coronel Osival Cardoso comandante da CPRO ( Comando de Policiamento Regional Oeste ) a operação foi uma orientação da Secretaria de Segurança Pública da Bahia com o objetivo de desobstruir as pistas interrompidas pelos caminhoneiros e dar segurança para quem quisesse deixar o movimento e prosseguir viagem.

Sem Resistência 

Eram por das 14h30 quando o efetivo em conjunto das polícias chegou ao local aonde estava instalada a barreira, saída para Salvador, sem nenhuma resistência os policiais conseguiram desobstruir a pista para que os caminhoneiros e suas cargas pudessem passar sem problemas. Segundo relato da polícia e dos manifestantes, dos 300 caminhões que estavam no local, 5 pediram para sair e continuar a viagem.

 

 

Operação em toda a Bahia 

Essa operação que foi desencadeada em Barreiras, foi realizada também nos outros 8 pontos de protestos na Região Oeste ( Luis Eduardo, São Desidério, Santa Maria da Vitória, Roda Velha, Formosa do Rio Preto e Macaúbas ), o mesmo acontecendo em toda a Bahia. Foi uma ação planejada para acontecer simultaneamente para ter uma ação mas efetiva e com o menos de resistência possível.

O protesto continua e os caminhoneiros cantam o hino nacional

É bom deixar claro que o protesto dos caminhoneiros continua, mas as pistas estão desobstruídas com passagem para todas as cargas, seja combustível, alimentos ,  medicamentos e etc. , o movimento dos caminhoneiros esclarece que eles continuam no local com seus caminhões estacionados aguardando que suas reivindicações sejam atendidas no plenamente. Hoje na BR 242, em Barreiras saída para Salvador os caminhoneiros que já tem uma estrutura para resistir ao tempo que o protesto existir, cantaram o hino nacional de baixo de uma bandeira do Brasil hasteada a beira da pista.  Todos que o Site Mais Oeste ouviu dizem que estão confiantes no movimento, não confiam no governo federal e dizem que não vão sair do local.

Caminhoneiros resistem

O movimento já dura 9 dias, muitos estão longe das famílias a mais de um mês mas o discurso é de ficar nos postos e na beira das estradas até que tudo se resolva, daí importante parte do transporte nacional ainda ficará prejudicado. Uma das maiores conquistas desse movimento talvez tenha sido o apoio popular que através dos caminhoneiros conseguiram mandar um recado para o governo federal, hoje na hora da desobstrução da pista estavam no local empresários, agricultores e curiosos vendo a operação da polícia, uns apoiando e outros neutros só observando um momento impar da nossa história atual, o Brasil parou.

O caminhoneiro Celestino que está no protesto e representa uma das maiores empresas de sacarias do Brasil, a WI Sacarias instalada no interior de São Paulo sabe que o movimento surtiu efeito, que a classe que leva e traz grande parte da economia brasileira está conquistando um respeito que antes podia até ser negado mas que agora os governantes sabem que precisam ter mais cuidado e zelo com a classe das estradas.

Gás na cozinha e combustível nos postos

Pelo manos um caminhão carregado com botijões de gás e dois com combustível saíram para abastecer as cidades de Barreiras e Luis Eduardo Magalhães. Ontem ( 28 ) já faltava gás em parte da cidade de Luis Eduardo e com este caminhão deve amenizar o problema. Filas gigantescas se espalham na frente dos postos de Barreiras e Luis Eduardo, esperando os caminhões que conseguiram se liberados hoje a tarde das estradas e outros que conseguiram carregar nas bases.

 

 

 

 

 

Notícias Relacionadas

3X0 ou 7X1? Por Mário Machado

Postado por - 26 de janeiro de 2018 0
Compartilhar no WhatsApp Passado o tsunami ou a marolinha do primeiro julgamento do ex-presidente Lula, espero piamente que o Brasil…

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *