Transexuais cobram pagamento de “programa” e drogas de deputado federal

Um tumulto em frente a um prédio em Porto Alegre, na manhã da última sexta-feira (22), levou os moradores a chamarem a Brigada Militar para resolver a situação. Duas transexuais gritavam afirmando estar cobrando uma suposta dívida do Deputado Federal José Otávio Germano (PP), morador do local.

A guarnição da BM tentou negociar o fim do protesto. Um dos policiais subiu ao sétimo andar, onde mora Germano, e voltou dizendo que ele iria pagar a dívida. Descrevendo o deputado como “muito alterado”, o soldado pediu que as transexuais esperassem a chegada de uma pessoa que iria trazer o dinheiro.

Por telefone, o policial passou os dados da conta corrente de uma delas, para que o parlamentar fizesse o depósito. Depois de duas horas de espera, o soldado que comandava a conversa voltou para dentro do prédio. Ao sair, trouxe no bolso R$ 2,5 mil, em notas de R$ 100 e R$ 50.

Após alguns minutos de conversa com os policiais, as transexuais aceitaram ir embora mediante a promessa de que o restante da suposta dívida será pago em breve. Uma delas afirmou ter visto no convite a oportunidade de cobrar a dívida, convidando a amiga para isso. O plano teria sido frustrado quando o político bloqueou o contato no celular, o que teria movido as duas a promoverem o tumulto em frente ao prédio.

O Deputado José Otávio Germano usou as redes sociais para esclarecer o caso e se disse “vítima de grosseira tentativa de extorsão”. “Os diálogos registrados através de mensagens apenas confirmam a minha disposição de sair desse assunto, ao identificar que se trata de armação com evidente propósito de denegrir minha imagem pública. Desejo por esta razão, ao reiterar minha isenção nesse episódio, ao mesmo tempo pedir desculpas pelo constrangimento que este fato possa ter causado a meus familiares, minhas filhas, aos amigos e a todos que acreditam no meu trabalho”, escreveu.

O 11º BPM informou que não foi registrada ocorrência e que vai abrir uma sindicância contra os soldados para esclarecer por que eles mediaram o pagamento.

 

Notícias Relacionadas