Alckmin e Lula concentrarão 63% do horário eleitoral na televisão

Dominante desde 1994, a polarização entre PSDB e PT vai continuar durante as eleições de 2018. Não que os candidatos dos dois partidos, Geraldo Alckmin e Luiz Inácio Lula da Silva — virtualmente inelegível pela Lei da Ficha Limpa e que deve ser substituído por Fernando Haddad (PT) no decorrer da campanha — estejam garantidos no segundo turno, mas, sim, porque vão liderar com folga a exposição durante os blocos destinados aos presidenciáveis na propaganda televisiva, que começa no dia 31.

A vantagem é tanta que, somados, PSDB e PT vão ocupar perto de dezesseis dos 25 minutos diários destinados aos candidatos à Presidência às terças, quintas e sábados, o que representa mais de 63% do total. A maior parte desse índice vem do partido tucano, que, nas três vezes por semana em que o programa for ao ar, terá cinco minutos e 33 segundos para expor suas ideias. Mesmo que somados os tempos de TV de todos os candidatos, com exceção do candidato petista, ainda faltarão dois minutos para que se atinja o índice do tucano — que, ainda, poderia ser até maior, se não fosse uma limitação imposta pela Justiça Eleitoral.

As regras determinam que, se um candidato à Presidência ou ao governo de um estado tem mais do que seis partidos em sua chapa, ele só pode aproveitar as cotas das maiores legendas, sendo obrigado a abrir mão das demais para serem redistribuídas. A somatória de Alckmin é fruto do tempo igual dado a todos os candidatos mais as proporções representadas pelo PSDB, pelo PP, da candidata a vice Ana Amélia, e por PSD, PR, PTB e DEM. Já o restante, PRB, SD e PPS se somam a PSB, PMN e PMB, que se declararam neutros na disputa.

O PT chegou à segunda colocação do ranking com os acertos do fim de semana – as alianças com PCO, Pros e PCdoB. O candidato do partido vai superar o tempo do ex-ministro Henrique Meirelles, que se beneficia do gigantismo do MDB e ganhou mais alguns segundos ao fechar com o PHS, ficando como o terceiro com maior exibição na televisão.

Depois do trio dos maiores partidos, o segundo bloco de candidatos, na faixa dos quarenta segundos, é formado por Alvaro Dias (Podemos) e Ciro Gomes (PDT). Marina Silva (Rede), com 22 segundos, e Guilherme Boulos (PSOL), com 14, devem conseguir construir uma frase, mas talvez não duas.

Notícias Relacionadas