Polícia Federal está perto de saber quem paga advogado de agressor de Bolsonaro

A Polícia Federal em Minas Gerais cumpre dois mandados de busca e apreensão no escritório e em uma empresa do advogado Zanone Manuel de Oliveira Júnior, responsável pela defesa de Adélio Bispo – agressor confesso de Jair Bolsonaro (PSL), à epoca candidato a presidente da República. Segundo o delegado Rodrigo Morais, que coordena as investigações da PF, o objetivo da operação desta sexta-feira (21), que ocorre na Grande BH, é tentar identificar quem estaria financiando a defesa do autor do atentado ocorrido em 6 de setembro, em Juiz de Fora, na Zona da Mata.

Por volta das 10h, os policiais, armados e com roupas camufladas, chegaram ao hotel em Contagem onde Zanone mora e tem escritório.

Bispo foi indiciado por prática de atentado pessoal por inconformismo político, crime previsto na Lei de Segurança Nacional. O primeiro inquérito da PF concluiu que o agressor agiu sozinho no momento do ataque e que a motivação “foi indubitavelmente política”.

O que diz o advogado

Durante o cumprimento do mandado de busca e apreensão, o advogado falou rapidamente, mas o celular estava sendo apreendido por policiais e ele precisou desligar. À repórter Aline Aguiar, da Globo, Zanone disse que já esperava por alguma ação desse tipo por parte da polícia. Ele afirmou, ainda, que acompanhou toda a ação dos policiais federais e voltou a dizer que foi o nome de quem o contratou para defender Adélio é sigiloso.

Notícias Relacionadas