A partir de abril, preço dos remédios vai pesar ainda mais no bolso dos brasileiros

Os gastos com a compra de medicamentos, uma das principais despesas para os cuidados com a saúde entre as famílias brasileiras, vai pesar ainda mais no bolso da população a partir de abril, quando os preços forem reajustados após definição da Câmara de Regulação do Mercado de Medicamentos, por determinação da Lei 10.742/2003. O aumento no valor de venda dos remédios, por estimativa da Associação da Indústria Farmacêutica de Pesquisa (Interfarma), pode ser de até 4,46%. “Infelizmente, o aumento vai agravar ainda mais a dificuldade de quem não consegue seguir o tratamento medicamentoso prescrito por um especialista por falta de condições em custeá-lo, e poderá gerar o mesmo problema para quem já o faz com algum sacrifício”, diz Luiz Monteiro, presidente da PBMA – Associação Brasileira das Empresas Operadoras de PBM.

Estima-se que cerca de 50% das pessoas que iniciam um tratamento de saúde o abandonam por falta de acesso ao medicamento prescrito. “E de muitas que seguem, uma boa parte acaba se endividando por isso”, diz o presidente da entidade. É o que mostra uma pesquisa feita pelo Serviço de Proteção ao Crédito (SPC), publicada no ano passado. Os números divulgados apontaram que, em 2017, despesas não pagas relacionadas aos cuidados com a saúde colocaram 25,3% dos brasileiros na lista de negativados. E que o gasto médio mensal de quem faz uso de remédios contínuos ou periódicos é de R$ 138,32. “A interrupção do tratamento acaba gerando ainda mais despesas ao paciente, já que os problemas com a saúde se agravam e, invariavelmente, é necessário a realização de novos exames e até mesmo de novas internações”, completa Monteiro.

Ele explica que, com o PBM – Programa de Benefícios em Medicamentos, as pessoas têm mais chances de seguir o tratamento, já que o subsídio oferecido por empresas facilita o acesso da população ao medicamento. “O subsídio pode variar de acordo com o plano escolhido pelas empresas, mas há casos em que pode ser de até 100% do valor”, relata o presidente da PBMA. O conceito de PBM já existe no mercado americano desde 1980 e atualmente perto de 80% da população aviam suas receitas médicas pelo sistema. Aqui no país o conceito chegou a partir de 1990. Hoje, no Brasil, funcionários de empresas como Telefônica Brasil, IBM, Caterpillar, Unilever, Arcelor Mital, Carrefour, Nestlé, Gerdau e Tigre, entre outras, já subsidiam medicamentos para seus funcionários. “O plano também pode ser estendido a familiares”, complementa o presidente da PBMA.

Dados levantados pela associação mostram que cerca de 110 milhões de unidades (caixas) de remédio foram distribuídas no país, em 2018, por meio do PBM. Para 2019, a instituição prevê um crescimento em torno de 15%, ou seja, que aproximadamente 125 milhões de unidades sejam dispensadas. “Com a popularização do conceito do programa e a retomada da confiança no mercado, a expectativa é que cresça o número de empresas que ofereçam PBM e, assim, um número maior de empregados e colaboradores contemplados”. Entre as vantagens para as empresas que oferecem PBM a seus funcionários está a gestão do tratamento medicamentoso e a subsequente melhora da saúde populacional, queda do absenteísmo e, consequentemente, maior produtividade. “ E a empresa escolhe qual o plano mais adequado para ela e seus funcionários”, conclui o presidente.

Notícias Relacionadas