Rede de esgoto tem aumento de 158,7% em desobstruções no período chuvoso, diz EMBASA

Nos três primeiros meses do ano, a Empresa Baiana de Águas e Saneamento (Embasa) executou 1.279 serviços para desobstruir a rede coletora de esgoto nos municípios de Barreiras e Luís Eduardo Magalhães, no Oeste da Bahia. Segundo a área operacional, no período chuvoso, o número de solicitações para desobstrução na rede de esgoto, nos dois municípios, mais do que duplicou em relação ao número de desobstruções realizadas nos meses de julho, agosto e setembro do ano passado, quando não chove na região. O aumento do período seco para o período chuvoso foi de 158,7%.

Este fenômeno ocorre por conta da abertura indevida das tampas dos poços da rede para escoar água de chuva. Como a tubulação da rede de esgoto não foi projetada para receber o grande volume da chuva e os resíduos que ela carrega (areia, pedras e lixo), quando é aberta para escoar água pluvial, ela entope e extravasa ou reflui o esgoto para dentro dos domicílios, gerando transtornos e pondo em risco a saúde das pessoas.

Além do impacto financeiro dispensado em equipe e equipamentos para executar este tipo de serviço, as obstruções interrompem o funcionamento do sistema e trazem transtornos para a própria população com o extravasamento de esgoto nas ruas e até o retorno do esgoto às residências.

O gerente regional da Embasa, Francisco Andrade explica que esse aumento na incidência de obstruções representa um custo adicional na operação do sistema de esgotamento sanitário da ordem de R$ 130 mil, pois além de mobilizar mais pessoas e equipamentos, também danificam as bombas das estações elevatórias. “A areia que entra na rede de esgoto vai parar nas engrenagens das bombas e a consequência é o extravasamento temporário na estação até que nossos técnicos substituam os equipamentos danificados”, afirma.

O bom uso da rede de esgoto também inclui cuidados com a rede hidrossanitária dos imóveis que incluem as seguintes recomendações: evitar jogar lixo no vaso sanitário e nos ralos, como resto de comida, papel, absorventes, preservativos, cabelo, plástico, entre outros resíduos sólidos; evitar descartar óleo de cozinha e borra de café no ralo da pia da cozinha e limpar regularmente a caixa de gordura instalada dentro dos imóveis.

Água de chuva é na drenagem pluvial

A rede de drenagem pluvial é a infraestrutura disponibilizada em via pública e mantida pela Prefeitura Municipal, na qual deve estar ligada a tubulação dos imóveis que recolhe a água da chuva drenada pelas calhas dos telhados das casas e dos prédios e pela qual a água que escorre pelas ruas da cidade é escoada por meio de bueiros que ficam abaixo das calçadas ou passeios. Toda a água recolhida pela rede de drenagem pluvial desemboca em rios ou em praias, quando se trata de uma cidade litorânea.

A manutenção da limpeza urbana pelos moradores e pela prefeitura, assim como o bom uso e manutenção da rede coletora de esgoto são imprescindíveis para a preservação da qualidade da água dos rios e praias e a promoção de um meio ambiente saudável.

Assessoria de Comunicação da Embasa Unidade Regional de Barreiras (UNB)

Notícias Relacionadas