Bombeiros ampliam área isolada na BA por risco de novas barragens se romperem

O Corpo de Bombeiros aumentou, no início da noite desta sexta-feira (12), a área isolada em torno do Rio do Peixe, na cidade de Coronel João Sá por conta do risco de novos rompimentos de barragens na região.

O Governo Federal reconheceu a situação de emergência e calamidade pública das cidades baianas de Coronel João Sá e Pedro Alexandre, nesta sexta, após o rompimento da barragem do Quati, que inundou os dois municípios, na quinta-feira (11).

Pela manhã, a área isolada em torno da ponte por onde passa o Rio do Peixe em Coronel João Sá era de cerca de 20 metros. No início da noite, no entanto, a área isolada passou para mais de 500 metros.

A informação sobre o risco de novos rompimentos foi passada pelo major Ramon Diego, com base em análise de técnicos da Defesa Civil, e também pelo governador da Bahia, Rui Costa, que esteve no município avaliando os danos provocados pela inundação.

Por volta das 17h desta sexta, o Corpo de Bombeiros orientou que os moradores evacuassem o local. De acordo com o governador, a medida foi tomada para evitar maiores danos à população.

“Vários pequenos barramentos, todos estão cheios, e todos estão vazando. E como está cheio e são todos de barro, pode ter um que entre em colapso, na medida que um rompa, ela vai levar o seguinte, aí vira de novo uma onda. Então, é melhor prevenir do que remediar, e por isso nós estamos pedindo às famílias que voltem para casa dos parentes, que voltem para os colégios, enfim, tirando da área de alagamento. Porque, se durante à noite houver rompimento de algum [barramento], as famílias não seriam afetadas”.

Rui Costa informou ainda que as cidades de Coronel João Sá e Pedro Alexandre ficam em uma região de semiárido e por isso têm muitas barragens de água. Ele explicou que, além da evacuação, outra medida tomada foi desobstruir as passagens para facilitar o deslocamento dos moradores.

“Eu estava conversando com o prefeito e ele me disse que, no últimos 70 anos, nunca viu uma sequência de chuva tão grande. E o que está acontecendo é o colapso de muitos pequenos barramentos, feitos em propriedades privadas, que vão rompendo e criam o efeito cascata, uma onda de água, como aconteceu em Pedro Alexandre. Agora é monitorar os outros pequenos barramentos para que a eventual elevação da água não comprometa a vida de ninguém, tomando, inclusive, medidas para a prevenção da saúde das pessoas”, disse o governador.

Rui Costa informou ainda que as cidades de Coronel João Sá e Pedro Alexandre ficam em uma região de semiárido e por isso têm muitas barragens de água. Ele explicou que, além da evacuação, outra medida tomada foi desobstruir as passagens para facilitar o deslocamento dos moradores.

“Eu estava conversando com o prefeito e ele me disse que, no últimos 70 anos, nunca viu uma sequência de chuva tão grande. E o que está acontecendo é o colapso de muitos pequenos barramentos, feitos em propriedades privadas, que vão rompendo e criam o efeito cascata, uma onda de água, como aconteceu em Pedro Alexandre. Agora é monitorar os outros pequenos barramentos para que a eventual elevação da água não comprometa a vida de ninguém, tomando, inclusive, medidas para a prevenção da saúde das pessoas”, disse o governador.

Ainda segundo Rui Costa, cuidados como incineração de animais mortos estão sendo tomados para evitar que pessoas adoeçam por conta da inundação. O governador disse ainda que haverá uma discussão sobre o reparo da cidade.

O prefeito de Coronel João Sá, Carlinhos Sobral, informou que a cidade também teve situação de emergência decretada na quinta-feira (11).

“A Defesa Civil já orientou também a prefeitura, como fazer, porque nunca entramos em estado de emergência por causa da chuva. Inclusive, estávamos em estado de emergência de seca, para você ver como é a distorção. Pela primeira vez nós entramos em estado de emergência por causa da chuva”, disse ele.

A cidade de Pedro Alexandre também publicou um decreto na quinta.

Notícias Relacionadas