Investigado por crime eleitoral em LEM, Aldo Dourado falou sobre o caso

Foto//Reprodução

Alvo de uma operação da Polícia Federal com objetivo de apurar suposto esquema de corrupção na eleição 2020 em Luís Eduardo Magalhães, o ex-candidato ao cargo de vice-prefeito pelo PL, Aldo Carneiro Dourado, se diz profundamente arrependido e quer voltar o quanto antes para perto da família e dos amigos.

Aldo responde pelo crime em liberdade e, de acordo com a PF, ele é suspeito de receber dinheiro para desistir da candidatura, anulando a chapa, deixando que a disputa ficasse entre apenas dois candidatos.

De acordo com o ex-candidato em conversa com o blog Aires Fernandes News, ele foi induzido por um grupo político a aceitar dinheiro para desistir das eleições e que agora se sente prejudicado por estar longe da família e da vida cotidiana.

Durante a conversa, Aldo relatou que constantemente o grupo o chamava para beber e, ainda de acordo com Aldo, foi em uma destas noites de muitas bebidas que aconteceu o esquema. Segundo fontes relataram para o blog Aires Fernandes News, Aldo teve o celular recolhido para apagarem todos os dados e conversas, e ainda a ameaça de nunca mais voltar para Luís Eduardo.

A investigação do caso teve início em novembro e o prazo de 90 dias para que a PF entregasse os resultados para o Ministério Público Federal se encerram neste mês de fevereiro.

Quer mais notícias, clique aqui: www.maisoeste.com.br

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *