Projeto Conecta Cerrado, do Parque Vida Cerrado, é contemplado com bolsa de pesquisa do Funbio

Foto//Divulgação

O Parque Vida Cerrado – primeiro e único centro de conservação da biodiversidade, pesquisa e educação socioambiental do Matopiba, localizado em Barreiras – foi contemplado com uma bolsa de pesquisa do Programa Conservando o Futuro, do Fundo Brasileiro para a Biodiversidade (Funbio), que tem o apoio do Instituto Humanize. Das mais de 450 propostas recebidas pelo fundo em 2020, o Parque ficou entre os dez selecionados para desenvolvimento de trabalho no Bioma Cerrado, sendo o único que apresentou um projeto de pesquisa voltado à conservação de canídeos ameaçados.

O Parque foi representado pela sua responsável técnica, a médica veterinária Paula Damasceno Gomes, mestranda do Programa de Pós-graduação em Saúde Animal da Faculdade de Agronomia e Veterinária da Universidade de Brasília (UnB). A profissional participou do edital com o projeto “Inquérito sorológico, molecular e fatores de risco de doenças infecciosas de animais domésticos em populações de Chrysocyon brachyurus (Carnivora: Canidae)”, que tem no Projeto Conecta Cerrado a sua principal fonte de observação da pesquisa.

Através deste projeto, a profissional busca estabelecer o status de saúde do lobo-guará em microrregiões do Oeste baiano, correlacionando e determinando os fatores de risco associados à convivência do lobo-guará com espécies domésticas, como os cachorros. “O Projeto Conecta Cerrado é um estudo inédito na região, que ainda não contava com uma pesquisa sobre a real efetividade das áreas preservadas nas propriedades agrícolas e como os lobos-guarás interagiam nesses cenários. Através desta pesquisa, o Parque vai obter dados que serão importantes para os animais da espécie, somando-se às informações das demais regiões de ocorrência no país. O edital do Funbio veio em um momento muito importante da pesquisa, que tem um alto custo envolvido para sua realização. O recebimento do recurso permitirá a continuidade das pesquisas do projeto, que busca entender os riscos e as ameaças de uma espécie tão emblemática do Cerrado”, comemora a veterinária.

Funbio

O Funbio é um mecanismo financeiro nacional privado, sem fins lucrativos, que trabalha em parceria com os setores governamental e a sociedade civil para a destinação de recursos estratégicos para iniciativas efetivas de conservação da biodiversidade. Desde 1996, ano que marcou o início de suas atividades, o fundo já apoiou 306 projetos, beneficiando 255 instituições em todo o país.

Em 2018, o fundo passou a oferecer, com o apoio do Instituto Humanize, o Programa Bolsas Funbio – Conservando o Futuro. A iniciativa foi criada com a finalidade de apoiar pesquisas de campo de estudantes de mestrado e doutorado que fazem parte de quatro eixos temáticos: Conservação, Manejo e Uso Sustentável de Fauna e Flora; Gestão Territorial para a Proteção da Biodiversidade; Recuperação de Paisagens e Áreas Degradadas. Atualmente, o programa apoia 97 cientistas de mais de 35 instituições de ensino em todos os biomas brasileiros, com importantes resultados obtidos, como a descoberta de novos grupos de animais em perigo de extinção, o registro de novas espécies, a geração de dados antes desconhecidos sobre aquecimento global e corais no estado do Rio de Janeiro.

Nesta última edição do programa, realizada em 2020, mais de 450 propostas foram recebidas pelo fundo, que selecionou 37 projetos e destinou um total de R$ 1,1 milhão em apoio – o maior repasse de recursos desde a primeira edição do programa, em 2018.

*Texto Assessoria

Quer mais notícias, clique aqui: www.maisoeste.com.br