Mulheres formadas em cursos profissionais já ganham mais que homens

Brasil, Goiana, PE, 07/04/2015. Operadora manuseia ferramenta em bloco de motor no Centro Automotivo da Jeep, que será inaugurado em 20 de abril de 2015, na cidade de Goiana, no Pernambuco. – Crédito:ALEX SILVA/ESTADÃO CONTEÚDO/AE/Código imagem:181880

Antes vistos como masculinos, os cursos técnicos e profissionais vêm ganhando cada vez mais espaço entre as mulheres. Elas já representam mais de 25% da força de trabalho industrial no Brasil, segundo informações do Ministério do Trabalho. Em algumas profissões, as mulheres chegam a ganhar mais do que os homens. É o caso dos técnicos em construção de edifícios. De acordo com dados do ministério, o salário médio das mulheres no ano passado nesse segmento era 41% mais alto do que o dos homens. A ala feminina também recebe mais do que a masculina entre os formandos no curso de derivados de combustíveis. O salário delas chega a ser 25% maior do que o dos homens, ficando em torno de sete mil reais.

No Brasil, segundo dados do último Censo Escolar, são mais de um milhão e oitocentos mil matriculados na educação profissional. Desses, mais de um milhão são de matrículas femininas. Na região Sudeste, são mais de 800 mil pessoas matriculadas nesses cursos. Mais da metade é de mulheres. 

No Rio de Janeiro, por exemplo, o censo mostrou 168.328 matrículas na educação profissional no ano passado. Dessas, quase 100 mil eram de mulheres. A líder da bancada feminina na Câmara dos Deputados, Soraya Santos (PMDB-RJ), acredita que a inserção da mulher nesse mercado de trabalho vem crescendo, mas que é preciso observar alguns aspectos dessa participação. “Nós precisamos inserir essa mulher no mercado de trabalho, mas com outro olhar. Óbvio que tem muitas empresas que dizem: ‘tenho um corpo da minha empresa com 70% de mão de obra feminina.’ A pergunta que se faz é quantas no comando?”

As mulheres ocupam apenas 37% dos cargos de direção e gerência, segundo informações do Banco Interamericano de Desenvolvimento. Em cargos executivos de grandes empresas, o número cai mais ainda. Vai para 10% no Brasil.

Notícias Relacionadas

Participe!

Postado por - 7 de Fevereiro de 2017 0
Compartilhar no WhatsApp Compartilhar no WhatsApp

Postado por - 16 de junho de 2017 0
Compartilhar no WhatsApp Compartilhar no WhatsApp

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *