Sem Judiciário, sem honorários: Por Mário Machado Júnior

Não existe falta de tempo, existe falta de interesse. Porque quando a gente quer mesmo, a madrugada vira dia. Quarta-feira vira sábado e um momento vira oportunidade. Pedro Bial

Que fique bem claro que eu não gosto de Pedro Bial, mas a frase se adapta bem ao que pretendo escrever.

Hoje, as 16 horas os advogados de LEM e a sociedade civil organizada estarão dando o seu grito de BASTA, CHEGA, ACABE-SE O CAOS NO JUDICIÁRIO local.

Há mais de 50 anos Geraldo Vandré cantava: “Quem sabe faz a hora, não espera acontecer.” Cansamos de esperar, cansamos de sermos abusados em nossa paciência. Não existe senso de humor que resista a tanto desrespeito a tanto caos.

Em 2015 recebemos uma corregedora do interior do Tribunal de Justiça do Estado de Bahia e, quando pude falar disse: Quando falta do clips ao juiz em uma comarca, temos que fechar não a comarca, temos que fechar o tribunal.

O TJBA nada fez pela comarca e continuamos implorando.

Hoje vamos para rua, saindo da frente da prefeitura em carreata e passeata, para mostrarmos mais uma vez a nossa indignação. Pleitear, novamente, pela instauração da ordem e do direito na nossa comarca. Queremos ser ouvidos, queremos respaldo as nossas queixas. Queremos respeito, JÁ!

É impressionante clamar por justiça em um país onde o regime democrático se instalou há mais de 30 anos, porque nós não temos justiça de nenhum grau modelo ou qualidade.

Sem juiz, sem oficial de justiça, sem servidores, como é possível funcionar assim?

A nossa revolta é imensa, pois vivemos do nosso trabalho e, infelizmente, dependemos do judiciário e do que ele nos serve. Trabalhamos porque precisamos e os nossos honorários tem fundo e caráter alimentar. Alimentamo-nos de nossos honorários, pagamos nossas contas através de nossos honorários, vivemos de nossos honorários.

Sem judiciário, sem honorários! E ai? Vamos roubar, traficar, vender cachorro-quente na praça? Vender cosméticos? Sem demérito ao cachorro-quente ou aos cosméticos, mas não foi para isso que estudamos e continuamos estudando diuturnamente, pelo contrário, o fazemos para advogar, e defender os nossos clientes e a sociedade como um todo.

Sem judiciário, sem honorários! Não dá, não cabe, é ilógico, é humilhante, é irreal, é desumano.

“de tanto ver triunfar as nulidades, de tanto ver prosperar a desonra, de tanto ver crescer a injustiça, de tanto ver agigantarem-se os poderes nas mãos dos maus, o homem chega a desanimar da virtude, a rir-se da honra, a ter vergonha de ser honesto.” Ruy Barbosa

“Exercer a advocacia significa defender com hombridade, direitos alheios; investir contra o usurpador; transformar a atividade em questionamento incessante para que se tenha vivo o bom direito; é argumentar com princípios doutrinários, jurisprudenciais ou hermenêuticos; é usar o verbo e a inteligência, a ciência e a arte: é agir com determinação e coragem, porque aos covardes não se reservam vagas na advocacia”. Arx Tourinho