Prefeitura de Barreiras inicia segunda fase do fumacê contra Dengue, Zika Vírus e Chikungunya

Foto//Dircom

Após concluir a primeira aplicação do fumacê, a Prefeitura de Barreiras em parceria com o Núcleo Regional de Saúde Oeste e Governo da Bahia dá início, nesta terça-feira (30), ao segundo ciclo de aplicação do composto Cielo, para uso em Ultra Baixo Volume (UBL), em 19 bairros da cidade, totalizando 42 mil imóveis contemplados. A iniciativa visa reduzir os casos de Dengue, Zika Vírus e Chikungunya, arboviroses transmitidas pelo mosquito Aedes Aegypti.

“Tivemos um bom resultado já na primeira aplicação, agora, vamos intensificar o fumacê neste segundo ciclo com cinco veículos, que estarão percorrendo os bairros de Barreiras até o próximo dia 12 de abril. Será uma força tarefa ininterrupta que será realizada, inclusive, aos sábados, domingos e feriados”, explica o diretor do Centro de Controle de Zoonoses, Dorimar Almeida.

A ação de combate ao mosquito será sempre nos primeiros horários da manhã e à tarde, a partir das 16 horas. Nesta terça-feira (30), o fumacê estará nos bairros Vila Nova, Conjunto Habitacional Barreiras I, Boa Sorte, Ribeirão, Barreirinhas, São Sebastião e Centro. A recomendação é que a população deixe as portas e janelas abertas para que o produto possa ter alcance e melhor efeito contra o mosquito adulto, lembrando que não há riscos para a saúde das pessoas.

De acordo o Centro de Controle de Zoonoses, deverão ser totalizados quatro ciclos de aplicações, com um intervalo médio de três dias de um ciclo para outro. Os números divulgados pela Secretaria de Saúde de Barreiras revelam que nos meses de janeiro e fevereiro (primeiro ciclo da Dengue), o índice de infestação predial (IIP) ficou em 0,81%, sendo considerado abaixo do preconizado pelo Ministério da Saúde. A partir de 1% o índice é classificado como “de alerta”.

Prevenção – A melhor forma de evitar as doenças transmitidas pelo mosquito Aedes Aegypti é combater focos de acúmulo de água, locais propícios para a criação do mosquito. Para isso, é importante não deixar água em latas, embalagens, copos plásticos, tampinhas de refrigerantes, pneus velhos, vasinhos de plantas, jarros de flores, garrafas, caixas d´água, tambores, latões, cisternas, sacos plásticos e lixeiras, entre outros.

Dircom

Quer mais notícias, clique aqui: www.maisoeste.com.br