Caso Henry: Após prisões da mãe e padrasto, polícia tenta desvendar o que aconteceu no apartamento

Foto//O Globo

Após a prisão temporária nesta quinta-feira (8) do vereador Dr. Jairinho (Solidariedade) e da professora Monique Medeiros, suspeitos pelo assassinato do menino Henry Borel, a Polícia Civil do Rio de Janeiro agora tenta desvendar todos os detalhes do caso. O que ocorreu dentro do apartamento na Barra Tijuca, onde o menino foi espancado até ficar desacordado, e por que a babá mentiu em depoimento são as respostas que a polícia procura na investigação.

Ainda que Dr. Jairinho e Monique estejam sendo investigados por homicídio duplamente qualificado —com emprego de tortura e recursos que impossibilitaram a defesa da vítima—, a polícia admite a possibilidade de que os detalhes do assassinato nunca sejam conhecidos.

Contudo, os investigadores entendem que há elementos suficientes para incriminar mãe e padrasto da vítima com base nas provas já colhidas.

Segundo a Polícia Civil, o casal foi preso por suspeita de atrapalhar as investigações e ameaçar testemunhas. Os prints de uma conversa entre Monique e a babá de Henry ocorrida no dia 12 de fevereiro, quase um mês antes do crime, reforçaram o pedido de prisão temporária. No diálogo, a babá dizia que o menino estava sendo agredido pelo padrasto.

“Na conversa entre a mãe e a babá, foi revelada uma rotina de violência. A própria babá fala que o Henry estava mancando [após supostamente levar chute nas pernas]. Quando a babá quis dar banho, ele não deixou que fosse lavada a cabeça porque estava com dores”, analisou Damasceno.

Entretanto, a babá omitiu o episódio e contou outra versão em depoimento à polícia. “Nós temos uma testemunha que tinha vínculo [com o casal], que visivelmente contou uma versão falsa. Esse é um dos indícios que demonstra claramente que havia interferência na investigação”, disse o delegado responsável pela investigação.

“A babá mentiu ao não comentar sobre qualquer incidente dentro daquela residência. Obviamente, as razões [para ter agido assim] serão apuradas. Ela pode inclusive ser indiciada por falso testemunho”, completou. O celular da babá, que deve ser ouvida novamente na próxima semana, foi apreendido pela polícia.

Quer mais clique aqui: www.maisoeste.com.br