Após queda de rocha em Capitólio, governo identifica cerca de ‘500 áreas em risco iminente’

Foto//

Após o acidente do Capitólio, em Minas Gerais, que deixou 10 mortos, as investigações têm um objetivo de prevenir novos desastres. O turismo de aventura sem fiscalização pode ser muito perigoso, então municípios, estados e o governo federal já estão colocando em prática medidas e inspeções. No entanto, não há lei que obrigue os estudos de risco ou vistorias em áreas remotas, onde ficam os cânions.

O ministro do Turismo, Gilson Machado Neto, informou que o Serviço Geológico do Brasil, empresa pública vinculada ao Ministério de Minas e Energia, identificou 500 áreas onde há risco.

“Já vamos disponibilizar 500 áreas em risco iminente. Quero fazer isso o mais rápido possível, para ontem. Para que a gente possa cada vez mais oferecer mais segurança ao turista, envolver os estados e municípios, que são lá na ponta, na capilaridade”, disse Gilson Machado Neto.

Pela lei, as inspeções e estudos de risco só precisam ser realizados em áreas urbanas. Em locais remotos, onde ficam os cânions, falésias, cavernas e cachoeiras, ficam de fora da obrigatoriedade, mas especialistas são categóricos: esse monitoramento das regiões rurais e turísticas são fundamentais para prevenir acidentes naturais como o de Capitólio.

Chapada dos Veadeiros, em Goiás

A geóloga da Universidade Federal de Goiás, Joana Paula Sánchez, liderou estudos no Parque Nacional da Chapada dos Veadeiros e, juntamente da equipe, indicou intervenções e interdições em algumas formações geológicas. Ela executa o mapeamento no local desde 2016.

“A primeira vez que a gente fez uma avaliação foi no Mirante do Carrossel, que é um atrativo muito famoso onde existe um mirante. Ele é apoiado em duas rochas, o que para um leigo seria muito coesa e grande. Mas quando a gente desceu para mapear, elas estavam apoiadas em uma camadinha de 10 cm de argila”, destaca Joana.

“Mas como somos professores de universidade, não temos o poder de proibir. Só posso informar. Ainda bem que até hoje todos acataram esses laudos técnicos”, acrescenta.

Ela explica que várias cachoeiras e cânions correm riscos, mas que o perigo depende do tipo de rocha, já que algumas se degradam mais do que outras. Ela também recomenda que os estudos sejam feitos uma vez por ano, após o período de chuvas.

Piauí e Sergipe agilizam inspeções

O acidente em Capitólio acendeu o alerta em estados e municípios com destinos turísticos semelhantes, como o Piauí e o Sergipe, que abrigam, respectivamente, o Cânion do Rio Poti e os Cânions do Xingó. A Secretaria do Meio Ambiente do Piauí fechou o local para visitação nessa época de chuvas para uma inspeção e espera gerar um relatório em até duas semanas.

Já para os Cânions do Xingó, área de conservação federal de responsabilidade do ICMBio entre os estados de Sergipe e Alagoas, foi formado um grupo com universidades da região, prefeituras e governos estaduais. O grupo, que conta com geógrafos e geólogos, irá fazer um estudo para delimitar margens de segurança para mitigar riscos na região.

Fonte: Fantástico

Quer mais notícias, clique aqui: www.maisoeste.com.br